top of page
ive escritas.JPG

Trechos de poemas da escritora 
Ivete Nenflidio

Recortes da obra:
"Livro das pequenas filosofias do cotidiano - Guardadora de memórias", com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2023.

“quando você participa de batalhas sem sentido,

é preciso aceitar o destino”

***

“você me contava, empolgado,

muitas histórias sobre o santuário das borboletas, enquanto eu admirava o movimento lépido dos teus lábios. Serei sincera, não prestei muita atenção na metamorfose”

***

 

“também me lembrarei de como o músico de chapéu e voz rouca tocava o violão faltando uma corda. A mesma corda que uso para me equilibrar diante do abismo”

***

 

“amanhã, desejarei novamente morrer afogada na tua boca, abraçada ao assoalho do teu corpo”

***

 

“no fundo, amo a ideia irracional de te amar, de te amar assim:        

livre, definitivo, como um pássaro destemido. Mas amo ainda mais

a ideia delirante de tê-lo comigo, como um pássaro confinado”

***

 

“você é um país quase perfeito e decretou que todos os homens são livres. Me disse apenas: leve um abrigo!”

*** 

 

“no fundo, sem você me perco como aqueles aviões desaparecidos

no Triângulo das Bermudas”

***

“te encontro em quase tudo: no armário que abro para te respirar,

na carta enterrada no livro de cabeceira cheio de traças, no garfo, na taça, no prato vazio que mantenho ao meu lado, em cada pedaço dessa égide chamada lar”

***

 

“a única certeza que tenho é que moro na corda bamba, sou equilibrista em tempo integral e choro como as Marias e as Clarisses”

***

 

“sim, a idade pesa. Arqueio-me como uma prateleira cheia de livros”

***

 

“brinco com as marcas do próprio tempo, com a urgência de expressar-me aqui e agora”

***

 

“sou poeta viciada em solidão e evito o caos da loja que realiza a megaliquidação. Fujo dos gritos. Aprecio a beleza do silêncio”

***

 

“sou uma flor vermelha revolucionária que surge só e esperançosa na terra árida e fria”

***

 

“lembro-me do desfibrilador tocando o teu peito cansado, robusto

lar dos sentimentos, coração fatigado de comoção, dor e emoção. Que dança cadente, desfiladeiro enamorado não aguentou! O choque que fere feito guilhotina não pode driblar o mistério do fim”

***

“rasuro, (re)crio experiências, lembro-me das manhãs que despertamos. Conto, como quem conta estrelas, o meu catálogo de instantes”

***

 

“morro na linha tênue entre a dor e o vício, em todas as sensações exageradas impossíveis de decifrar”

***

 

“você foi um entusiasta das raridades, regia as melodias desafinadas das frestas, como um maestro de principiantes ventanias”

***

 

“acredite! Às vezes, os sonhos são tão sufocantes quanto a vida real, e o passado, essa história perdida no fio do tempo, pode ser pior”

***

 

“muitas vezes imagino que você está batendo à minha porta, abro e não tem ninguém, então fecho os olhos para tentar não te esquecer”

***

 

“ontem sonhei com você! Você descia do vagão do trem e subia correndo os degraus da escada rolante - pelo lado esquerdo, é claro,

afinal, é sempre o caminho mais livre”

***

 

“ora, estou estacionada no tempo, sentindo, te esperando onde combinamos um encontro, no sonho, talvez”

***

 

“no sentido metafísico, sonho o tempo todo e quase sempre acordo nas melhores partes, interrompida pelo caixa do banco que pede minha senha, ou pelo despertador que confunde meus dias”

“gostava de me arrepender quando estava errada e gostava, ainda mais, de ouvir o teu perdão. Gostava de ouvir que viajou sobre o oceano só para me ver. Você tinha medo de avião”

***

 

“observava, atenta, às suas queixas; nas intermináveis noites, eu tecia o bordado utilizando as linhas das minhas próprias mãos”

***

 

“sonho com você essa noite e amanhã também, sonhos que certamente esquecerei”

***

 

“enquanto isso, penso na menina equilibrista do Teatro Bolshoi que rodopia, girando na ponta dos pés, acelerando o ponteiro do relógio. Tudo é voraz, assim como a minha nova face no espelho, não reconheço essa pessoa de pálpebras caídas e continuo sonhando com a bailarina que ainda mora em mim”

***

 

“os alpendres não cobriam os pés congelados, as cobertas não detinham as goteiras da velha casa, pombos criavam seus refúgios. Arriscado era acreditar nos retalhos que ainda sustentavam as paredes e os telhados”

***

 

“rabiscos de giz de cera marcavam os centímetros de cada filho e as fotografias lutavam para não serem sepultadas com o tempo”

***

 

“nas vidraças quebradas pela bola de meia, o vento insistia em

assobiar. Os joelhos ralados eram cicatrizados pelo sal e os pássaros

silenciavam os gritos dos homens embrutecidos”

***

 

“busca-me como quem salva um náufrago a perecer prematura e lentamente no barco cansado”

***

 

“tu viraste um eremita a calcorrear pelas cercanias do meu pensamento. Habitas lugares improváveis do meu corpo, paragens despovoadas que agora esperam suas mãos”

***

 

“vou desacelerando, como quem pausa, momentaneamente, o tempo, os ruídos e os contratempos. Sem algemas, ressentimentos,

respeitando as vírgulas, hiatos e fins. Perpetuando momentos, preenchendo as noites com a quietude dos silêncios necessários”

***

 

“talvez, não mais o encontre, ou talvez te descubra no limiar da primeira estrofe, no vago e exato silêncio das palavras incompreendidas”

***

 

“talvez eu te encontre nos versos, na caminhada solitária do eu poético, nos caracteres tortuosos produzidos pelas mãos trêmulas,

na margem da próxima página ou talvez seja emoldurada próximo

a sua cama”

 

***

 

“talvez eu te encontre na primeira frase, no post scriptum, ou quem sabe, simplesmente seja invadida pelos seus olhos”

bottom of page